Na sexta-feira passada (10), o UNICEF, em parceria com o Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência (CCPHA), reuniu pelo menos 100 municípios cearenses participantes do Selo UNICEF para o seminário “Segunda Década de Vida - Prevenindo mortes por causas externas na adolescência”, em Fortaleza. Os articuladores e secretários de assistência social de cada município estiveram no evento. 

Dados apresentados no seminário mostram que apenas dois municípios cearenses não registraram mortes por causas externas entre crianças e adolescentes na faixa etária de 10 a 19 anos entre 2013 e 2018. Por isso, a mobilização dos municípios é para garantir a segunda década da vida dos adolescentes.

Referente ao Resultado Sistêmico 16 do Selo UNICEF, que engloba mortes evitáveis e preveníveis (suicídio, homicídio, acidentes e outros),  os participantes tiveram acesso às estatísticas recentes de seus municípios em relação ao tema e conheceram estratégias já comprovadas de prevenção de mortes por causas externas.

O encontro reuniu palestra apresentando recomendações sobre prevenção de suicídios que podem ser incorporadas a escolas e outros atores sociais. Os municípios também conheceram a iniciativa Municipaliza, criada pelo Ministério Público do Ceará, com apoio do UNICEF, que visa a municipalização do trânsito e o auxílio na diminuição de acidentes e mortes.  

Para concluir a capacitação com o CCPHA mostrou iniciativas já desenhadas pelo Comitê que podem ser replicadas nos municípios para as ações de validação do Resultado Sistêmico 16, como identificar e mapear territórios vulneráveis, Busca Ativa Escolar e de adolescentes cumprindo medidas socioeducativas.

"O que eu levo daqui, além da aprendizagem, é maior responsabilidade com as ações que vão ser desenvolvidas no município", afirmou a secretária de assistência social do município de Redenção, Wilcilane Barreto. 

Equipes do UNICEF de São Paulo, Rio de Janeiro, Maceió, Bahia e Pernambuco também estiveram presentes para conhecer a metodologia de trabalho do CCPHA. “E importante que exista esta troca de experiências de estratégias de prevenção (de mortes por causas externas] entre os estados) entre os estados do Nordeste”, afirmou o coordenador do UNICEF para o Semiárido, Dennis Larsen. 

O Selo UNICEF
 
A Edição 2017-2020 do Selo UNICEF conta com a participação de mais de 1.900 municípios de 18 estados brasileiros, que assumiram junto ao UNICEF o compromisso de implementar políticas públicas para redução das desigualdades e garantir os direitos das crianças e dos adolescentes previstos na Convenção sobre os Direitos da Criança e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
 
A experiência com as edições anteriores comprova que os municípios certificados com o Selo UNICEF avançam mais na melhoria dos indicadores sociais do que outros municípios de características socioeconômicas e demográficas semelhantes que não foram certificados ou participaram da iniciativa.
 
Mais informações sobre o Selo UNICEF em www.selounicef.org.br.    
 
Sobre o UNICEF – O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) promove os direitos e o bem-estar de cada criança em tudo o que faz. Com seus parceiros, trabalha em 190 países e territórios para transformar esse compromisso em ações concretas que beneficiem todas as crianças, em qualquer parte do mundo, concentrando especialmente seus esforços para chegar às crianças mais vulneráveis e excluídas. Visite www.unicef.org.br.