Busca Ativa Escolar Na Prática atende à demanda de formação de gestores municipais, colaborando para a identificação e (re)matrícula de meninas e meninos

Qualificar o trabalho de gestores e de técnicos municipais visando a garantia dos direitos de crianças e adolescentes. Este é o objetivo do curso a distância Busca Ativa Escolar Na Prática, que será lançado no dia 23 de outubro, às 16 horas, por meio de uma live no Youtube do UNICEF.

O curso contribui para a implementação da estratégia Busca Ativa Escolar, que tem como objetivo apoiar municípios e estados no enfrentamento da exclusão escolar, fenômeno que ainda atinge, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Continua (PNADc / IBGE), cerca de 1,9 milhão de meninas e meninos brasileiros entre 4 e 17 anos.

O curso é dividido em módulos, de acordo com as funções desempenhadas por cada ator na Busca Ativa Escolar e aborda diversos temas importantes para qualificar o trabalho das equipes. Os módulos, que podem ser trilhados a qualquer tempo, contam com vídeos, animações, estudos de caso, cards e infográficos que ajudam a aprimorar os conhecimentos sobre a estratégia. O curso possui certificação e está aberto na plataforma Google Sala de Aula, podendo ser realizado por qualquer profissional que atue ou tenha interesse em atuar na Busca Ativa Escolar.

Durante a live, as pessoas terão a oportunidade de conhecer os módulos, as temáticas e as funcionalidades do curso. Além do UNICEF, participam do lançamento a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), o Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social (Congemas), o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), a União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação (Uncme), a Cidade Escola Aprendiz e o Cenpec, parceiros na Busca Ativa Escolar.

Serviço

O que: lançamento do Curso Busca Ativa Escolar na Prática
Quando: 23 de outubro de 2019, às 16 horas (horário de Brasília)
Como: live no Youtube do UNICEF

Sobre a Busca Ativa Escolar

A Busca Ativa Escolar tem como principal objetivo enfrentar as causas da exclusão escolar. Para isso, UNICEF, Undime, Congemas e Conasems desenvolveram uma metodologia social e plataforma tecnológica gratuitas que colaboram com municípios e estados na identificação de crianças e adolescentes fora da escola, compreendendo-se os motivos que os levaram à exclusão. Com isso, é possível à gestão pública definir os encaminhamentos mais adequados para o seu atendimento nos diversos serviços públicos e a realização da sua (re)matrícula.

Mais de 3 mil municípios e 15 estados já aderiram à estratégia. De junho de 2017, quando foi lançada, a outubro de 2019, cerca de 43 mil alertas de meninas e meninos fora da escola

foram aprovados, 34 mil casos estão em andamento 10 mil (re)matrículas foram realizadas. Conheça mais sobre a estratégia em: buscaativaescolar.org.br.

Situação do Brasil

Os dados de exclusão escolar (1,9 milhão, PNADc/IBGE) indicam o tamanho do desafio que o país ainda enfrenta para cumprir a legislação (emenda constitucional 59/2009), que estabelece a obrigatoriedade da oferta de ensino para todas as crianças e adolescentes entre 4 e 17 anos.

Os fatores de exclusão escolar são diversos e ultrapassam os muros da escola. Dentre eles podemos citar trabalho infantil; gravidez na adolescência; falta de documentação; violências sexual, doméstica e nos territórios; falta de vagas, de transporte e de escola, e distorção idade-série. Esses fatores demonstram o quanto a exclusão escolar é multidimensional, exigindo o trabalho articulado de diversas políticas públicas, como educação, saúde, assistência social, planejamento, dentre outras.