Neste 5º Ciclo de Capacitação, o município de Viçosa, em Alagoas, trouxe um exemplo inovador de integração para garantir um pré-natal de qualidade e o direito ao pleno desenvolvimento na 1ª Infância. O Conselho Tutelar firmou uma parceria com a Saúde para acompanhar os casos em que a gestante não estava dando sequência ao atendimento  médico. A ideia surgiu depois da identificação de que o município não estava garantindo o índice mínimo de sete consultas pré-natal. 

"Se temos os agentes de saúde e eles devem identificar as gestantes para garantir o atendimento de qualidade, como não estávamos garantindo nem o índice de sete consultas?", questionou a coordenadora de atenção básica de Viçosa, Fernanda Viçosa, relembrando uma das abordagens feitas em relação ao desafio com o grupo da saúde nas reuniões de acompanhamento trimestral.

Pelos relatos das enfermeiras e dos agentes, um dos motivos era a dificuldade das gestantes em manter o tratamento. "São vários os motivos para o abandono do acompanhamento. Falta de apoio da família, dificuldade de locomoção, desinformação, questões ligadas à gravidez não intencional, como depressão, entre outros", destacou. Foi aí que uma enfermeira deu a ideia: "E se a gente chamasse o Conselho Tutelar? Já tem uma vida de criança lá, em risco", ponderou. 

Fernanda conta que procurou o Conselho Tutelar que, imediatamente, formou a parceria e vem atuando em conjunto há cerca de seis meses. A iniciativa já deu resultados e o município vem alcançando a meta mínima das sete consultas médicas. "A intersetorialidade é sempre muito importante e o Selo UNICEF nos ajuda também nessa atuação, além das metodologias e material disponibilizados, que são sempre muito ricos", destacou, citando como exemplo o material de diagnóstico e tratamento de sífilis. 

"Esse fluxograma mesmo vou levar para que todos possam colar ao lado de suas mesas de trabalho e não tenham dúvidas dos procedimentos adequados", afirmou, referindo-se à publicação Fluxograma de mesa para diagnóstico e tratamento de sífilis em mulheres no pré-natal, parto e puerpério.

Os encontros de capacitação do Selo UNICEF em Alagoas aconteceram nos dias 29 e 30, respectivamente, nos polos de Arapiraca e Maceió. Além da importância de iniciativas de valorização da primeira infância, de alimentação saudável e de um pré-natal adequado, estratégias para interiorização de crianças e adolescentes migrantes também fizeram parte da agenda. Também foram discutidos a implementação e o funcionamento adequado de serviços qualificados para a atenção integral à saúde de adolescentes e ações de promoção de direitos sexuais e direitos reprodutivos.

Selo UNICEF 

A Edição 2017-2020 do Selo UNICEF conta com a participação de 1.924 municípios que assumiram, junto ao UNICEF, o compromisso de implementar políticas públicas para redução das desigualdades e garantir os direitos das crianças e dos adolescentes previstos na Convenção sobre os Direitos da Criança e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). 

A experiência com as edições anteriores comprova que os municípios certificados com o Selo UNICEF avançam mais na melhoria dos indicadores sociais do que outros municípios de características socioeconômicas e demográficas semelhantes que não foram certificados ou participaram da iniciativa.    

Sobre o UNICEF 
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) promove os direitos e o bem-estar de cada criança em tudo o que faz. Com seus parceiros, trabalha em 190 países e territórios para transformar esse compromisso em ações concretas que beneficiem todas as crianças, em qualquer parte do mundo, concentrando especialmente seus esforços para chegar às crianças mais vulneráveis e excluídas. Visite www.unicef.org.br.