Gabriel, sua mãe e o registro civil de nascimento. Uma garantia de seus direitos como cidadão.
© UNICEF/BRZ/TACIANO BRITO

O Conselho Tutelar do município de Urbano Santos (MA) começou a acompanhar a família de Marineide Alves Valentim. A moça vivia sozinha, com cinco dos nove filhos, e muitas dificuldades financeiras. Por conta disso, as crianças acabavam ficando muito sozinhas em casa.

Quando a conselheira tutelar Meyre Santos começou a conhecer melhor a situação, descobriu que os dois filhos mais novos, Gabriel, 1 ano, e Bruna, 4 anos, não tinham registro de nascimento. A mãe queria que o pai das crianças assumisse suas obrigações e registrasse os filhos. Ele se negava. E ela tinha receio de que fazer o registro sozinha o desobrigasse a ajudá-la financeiramente. “Depois de muita conversa, explicamos a ela que o registro era um direito das crianças”, conta Meyre.

Leia mais sobre a história de Marineide e do pequeno Gabriel na Revista de 20 anos do Selo UNICEF.